CAPÍTULO 1
Programação visual com Software Livre
EDIT LIN EDITORIAL S.L,  dos autores  Daniel Campos Fernández e José Luis Redrejo.  Prólogo de Benoit Minisini

<< Anterior Próximo >>

O primeiro exemplo


Uma das formas mais habituais de começar a trabalhar com uma linguagem de programação é fazendo um pequeno programa que mostra uma mensagem Olá mundo. isto é puro BASIC, quer dizer, que é igual o que fizeram os autores do BASIC por volta de 1964.

Naquele tempo as interfaces gráficas não existiam porque este primeiro programa era um programa feito, no terminal. No BASIC original, fazer que aparecesse uma mensagem no terminal era tão simples como escrever na linha:

PRINT "Olá Mundo"

Não é necessário nenhum cabeçalho prévio, a instrução PRINT serve para mostrar qualquer cadeia de texto no terminal, que no BASIC se apresenta entre aspas duplas. não existe programa tão simples como esse. Vamos ver como faze-lo com o ambiente de desenvolvimento Gambas:

1. Escolhemos a opção Novo projeto na janela anterior (Figura 3). Aparecerá um assistente, Quando pressionarmos Próximo. Surgirá uma nova janela para escolhermos o tipo de aplicação. Escolheremos a terceira opção: criar um projeto de texto.

2. Damos um nome ao projeto, por exemplo olá mundo e um título. Pressionamos o botão próximo (figura4).

Escolhemos o diretório do disco em que queremos cria-lo; pressionamos novamente o botão próximo e aparecerá um resumo com os dados do projeto (Figura 5).

3. A pressionarmos o botão OK. se abrirá o ambiente de desenvolvimento do Gambas pronto para começar a programar. Por ser uma aplicação
Figura 4
Figura 4. Assistente do Gambas

de terminal, que não possui interface gráfica, no momento só necessitamos nos fixar na janela da esquerda, que em nosso caso terá como título: Projeto – olamundo (figura 6).

Na realidade esta é, provavelmente, a janela mais importante para manipular o ambiente de desenvolvimento. A primeira vista podemos ver o menu superior, que contem as entradas necessárias para salvar e carregar projetos, ativar as varias janelas da IDE, manipular a execução dos programas, personalizar o ambiente (Ferramentas | Preferências | Outros | Mostrar Mascote, Podemos ocultar a animação do Camarão, que nos está olhando ao abrir o projeto), etc.

No momento nos fixamos só  na arvore de diretórios que contem. Podemos ver que a raiz da arvore é o nome do projeto: olamundo, e que dele saem três tipos: Classes e Módulos, que são para
Figura 5
Figura 5. Dados do projeto.


diversos   tipos   de   arquivos   de  código  fonte;  e Dados, cujo nome indica sua finalidade, Armazenar ai os arquivos de dados que a aplicação requeira.

    Desde o início, Gambas nos da duas formas de criar os programas, inclusive são tão simples como o que iremos fazer. Podemos escolher entre uma programação orientada a objetos, paradigma típico das linguagens de programação mais poderosas ou uma programação estruturada simples. Sendo assim, o arquivo que contem o nosso programa pode ser uma Classe  ou um Módulo. Para simplificar, no momento vamos usar um Módulo. Damos um click com o botão direito do Mouse sobre a arvore de pastas aparecerá um menu contextual. Escolhemos a opção Novo | Módulo. Surgirá uma janela na qual escrevemos o nome do módulo, por exemplo  meuprograma.module, onde podemos escrever o código.
Figura 6
Figura 6. Projeto - olamundo.
Por fim podemos escrever nosso código em BASIC. O faremos justo antes da linha onde está o END, Tal como está mostrando a (Figura 7).

Depois que escrevermos o código o qual já conhecemos, pressionamos a tecla ENTER, vemos que o ambiente colore o texto de uma maneira particular. Podemos parar um instante e observar as varias cores que mostra a (Figura 7):

Em cinza aparece uma linha que começa com uma aspa simples ('). isto indica que a linha é um comentário, Quer dizer que não se trata de nenhum código de programação e o texto após a aspa não
Figura 7
Figura 7. Janela onde escrevemos os códigos
será executado nunca, são comentários que o programador pode e deve colocar para facilitar que outros (ou ele mesmo, com o passar do tempo) entenda o que o programa faz nesse ponto.

    .Em azul podemos ver palavras chave da linguagem BASIC.

    .Em rosa aparece a cadeia de texto.

    .A esquerda vemos um ressalte amarelo no começo das linhas que tenham sido modificadas. Isto            aparecerá sempre nas linhas que contenham modificações e que ainda não tenham sido compiladas.

Bem, já está pronto o programa. Para comprovar basta da um click no botão verde. com o símbolo de Play, que está na tela do projeto. Ao faze-lo aparecerá uma nova janela chamada Console na qual se verá a saída do nosso programa. Neste caso será um simples texto Olá Mundo. Este é todo o código necessário, já podemos compilar o programa para gerar um arquivo executável que funciona sem a necessidade do ambiente de desenvolvimento. Para isso no menu da janela do projeto deve escolher: Projeto | Criar executável. Aparecerá uma janela de diálogo para escolher o diretório onde queremos criar o executável. Click OK e o gerará. Vamos encerrar agora o ambiente de desenvolvimento do Gambas e abrir um terminal ao passar para console do Linux, podemos provar o funcionamento. Para isso, no diretório onde foi criado o executável, fazemos:

jose@a00-o04:~$ cd gambas/olamundo/

jose@a00-o04:~/gambas/olamundo/$  ./olamundo.gambas

Olá Mundo






<< Anterior Próximo >>

HOME


Cópia literal

Extraído do livro “GAMBAS, programação visual com software Livre”, da editora EDIT LIN EDITORIAL S.L,  dos autores  Daniel Campos Fernández e José Luis Redrejo. Prólogo de Benoit Minisini

LICENSA DESTE DOCUMENTO


É permitido a cópia e distribuição da totalidade ou parte desta obra sem fins lucrativo. Toda cópia total ou parcial devera expressar o nome do autor e da editora e incluir esta mesma licença, adicionando se é uma cópia literal “Cópia literal”. Se é autorizada a modificação e tradução da obra  sem fins lucrativo sempre se deve constar na obra resultante  a modificação o nome da obra original o autor da obra original e o nome da editora e a obra resultante também deverá ser livremente reproduzida, distribuída, ao publico e transformada em termos similares ao exposto nesta licença.

Tradução

Cientista
 (Antonio Sousa)