CAPÍTULO 1
Programação visual com Software Livre
EDIT LIN EDITORIAL S.L,  dos autores  Daniel Campos Fernández e José Luis Redrejo.  Prólogo de Benoit Minisini

<< Anterior Próximo >>

Melhor com um exemplo gráfico


O Exemplo anterior Mostrava uma aplicação de console, que nos recorda os velhos tempos de outros sistemas operacionais e a forma de trabalhar dos hackers da informática.

Na realidade, fazer esse tipo de programa nos demonstra o potencial do Gambas, Mostra que é realmente simples e igualmente fácil de realizar como em outras linguagens como Python ou qualquer que seja a versão do BASIC.

É melhor fazer o programa Olá Mundo para o ambiente gráfico que inunda os escritórios e os computadores atuais. Para isso faremos igual a antes, iniciaremos  o Gambas e criando um Novo projeto seguindo exatamente os mesmos passos, exceto que no lugar de escolhermos Criar um projeto de texto, quando o assistente nos apresentar as várias opções, escolheremos Criar um projeto gráfico.

Para não repetir nome, podemos denominar o projeto olamundo2. Ao acabar o processo aparecerá de novo a janela do projeto, porem nesta ocasião terá um Caminho a mais na arvore: Formulários. Um formulário é a área onde se desenha a interface gráfica da aplicação, quer dizer, onde se insere objetos como botões, caixa de texto, listas, caixas de verificação, etc. Os formulários corresponderão as janelas que a aplicação mostrará.

Dando um click com o botão direito do mouse sobre a árvore do projeto, escolhemos agora no menu contextual que aparece: Novo | formulário. por simplicidade neste caso nem sequer precisa trocar o nome,  só da um click no botão OK aparecerá na tela a janela do formulário e uma janela para escrever código BASIC quase idêntica a do exemplo anterior, sem nada escrito. O resultado será algo parecido ao seguinte:

Figura 8
Figura 8. Tela do formulário

Dando um click sobre a palavra Form na janela da direita, correspondente a Caixa de ferramenta, aparecerá vários objetos que podemos colocar em nosso formulários. entre estes está o ícone  do botão  (se distingue rapidamente por ter a palavra OK escrito dentro). Dando um click do mouse nele, podemos desenhar no formulário um botão, tem só que arrasta-lo com o mouse e o botão esquerdo pressionado, para darmos a forma que queremos. Gambas escreve o texto Button1, porem como este texto não é muito intuitivo o melhor é troca-lo. Para isso é só selecionar o botão e depois, na janela propriedades, dá um click na linha onde está Text. Agora Você   pode escrever um novo texto, por exemplo Pressiona-me.

Falta a página 34 e 35 ................................................................................................

Uma aplicação nativa para o desktop KDE. Porem, com o componente Gtk disponível na versão de desenvolvimento do Gambas, permite fazer programas enlaçados com as bibliotecas do Gtk para realizar aplicações do desktop Gnome.

Se tivermos instalados os pacotes do Gambas correspondentes a versão de desenvolvimento, incluindo pacote gambas-gb-gtk, podemos recuperar a aplicação olamundo2 do exemplo anterior, ir à janela do Projeto e da um click no menu Projeto | Propriedades | , aba Componentes, e selecionar gb.gtk. O resultado ao executar a aplicação é que se trata de uma nova, porem antes do KDE e agora do Gnome. e sem trocar uma só linha de código!

Figura 10
Figura 10. Aplicaão olamundo2 em KDE
Figura 11
Figura 11. Aplicaão olamundo2 em Gnome

Até os dias de hoje não existe nenhuma outra linguagem de programação que possa fazer isto.








<< Anterior Próximo >>

HOME


Cópia literal

Extraído do livro “GAMBAS, programação visual com software Livre”, da editora EDIT LIN EDITORIAL S.L,  dos autores  Daniel Campos Fernández e José Luis Redrejo. Prólogo de Benoit Minisini

LICENSA DESTE DOCUMENTO


É permitido a cópia e distribuição da totalidade ou parte desta obra sem fins lucrativo. Toda cópia total ou parcial devera expressar o nome do autor e da editora e incluir esta mesma licença, adicionando se é uma cópia literal “Cópia literal”. Se é autorizada a modificação e tradução da obra  sem fins lucrativo sempre se deve constar na obra resultante  a modificação o nome da obra original o autor da obra original e o nome da editora e a obra resultante também deverá ser livremente reproduzida, distribuída, ao publico e transformada em termos similares ao exposto nesta licença.

Tradução

Cientista
 (Antonio Sousa)